Seis PMs são expulsos do Bope suspeitos de roubar traficantes no Rio Segundo denúncia, PMs ficaram com R$ 1,8 mi apreendidos na Covanca. Entre os afastados da tropa de elite estão dois majores e um capitão.

Posted On 13/07/2015

Filed under Uncategorized

Comments Dropped leave a response

http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2015/07/seis-pms-sao-expulsos-do-bope-suspeitos-de-roubar-traficantes-no-rio.html

Mais uma vez a Polícia Militar do Rio de Janeiro investiga um caso de corrupção dentro da própria corporação. Desta vez, os suspeitos são da tropa de elite. Conforme mostrou o RJTV nesta segunda-feira (13), seis policiais foram expulsos do Batalhão de Operações Especiais (Bope) por suspeita de roubar dinheiro de uma das maiores quadrilhas de tráfico de drogas que atuam na capital durante uma operação policial.

O afastamento dos seis policiais do Bope foi confirmado no boletim interno da Polícia Militar, divulgado na sexta-feira (10). São os majores Marcelo de Castro Corbage e João Rodrigo Teixeira Sampaio, o capitão Renato Roberto Soares Junior, o cabo Álvaro Luiz Ferreira e os soldados Flávio da Silva Alves e Fábio Vidal Pedro. Os seis, agora, estão cumprindo funções administrativas fora da tropa de elite.

De acordo com as investigações, no dia 21 de junho, o Bope fez uma operação no Morro da Covanca, na Praça Seca, Zona Oeste do Rio. Quatro pessoas morreram durante a ação policial. Uma testemunha contou ao disque-denúncia que os policiais da tropa de elite da PM apreenderam R$ 1,8 milhão dos traficantes. O dinheiro estaria escondido em tonéis. Mas, ao registrar a ocorrência na delegacia, nenhuma quantia foi entregue pelos PMs do Bope.

O Morro da Covanca é dominado pela principal quadrilha criminosa do rio e, segundo as investigações, é o quartel financeiro dos criminosos. Na última quinta-feira (9), a polícia cumpriu mandados de busca e apreensão na casa dos seis PMs afastados.

O subcorregedor da PM, tenente coronel Márcio César Monteiro, esteve nesta segunda-feira à tarde na sede do Ministério Público. Ele foi conversar com os promotores que acompanham as investigações.

Os promotores vão pedir à PM as informações gravadas no GPS das viaturas que participaram da operação, além dos laudos cadavéricos dos mortos e a escala das equipes que estiveram naquele dia na Covanca. O prazo para concluir as investigações é de 60 dias.

Segundo a PM, as investigações correm em sigilo e, por isso, a corporação não irá comentar sobre o caso.

PMs presos por extorsão
Em outubro do ano passado, o comandante do 17°BPM, na Ilha do Governador, Zona Norte do Rio, e outros 15 policiais militares lotados na unidade foram presos suspeitos de sequestrar traficantes e exigir resgate de R$ 300 mil.

As investigações constataram ainda o envolvimento de policiais militares lotados no 17º BPM com traficantes de drogas na Ilha do Governador. Os militares denunciados possuíam estreito laço com traficantes de drogas, em especial com o traficante Fernando Gomes de Freitas, conhecido como Fernandinho Guarabu, identificado como chefe de facção criminosa, que atua no Morro do Dendê.

Tem alguma notícia para compartilhar? Envie para o VC no G1 RJ ou por Whatsapp e Viber.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s