Transferência de padre negro causa revolta em Adamantina O padre e o bispo confirmam que o preconceito racial é uma das causadas da rejeição. Na cidade, fiéis afirmam que ele desagradou grupo tradicional ao atrair para a igreja pobres e usuários de drogas

Posted On 03/12/2014

Filed under Uncategorized

Comments Dropped leave a response

GINOTICIASPadre Wilson RamosCHICO SIQUEIRA – ESPECIAL PARA O ESTADO

ADAMANTINA – A transferência de um padre negro revoltou moradores da pequena Adamantina, cidade de 35 mil habitantes, no interior de São Paulo. A decisão do bispo de Marília, Dom Luiz Antônio Cipolini, de transferir o padre Wilson Luís Ramos para outro município desencadeou uma onda de protestos no município e nas redes sociais. Após dar um abraço simbólico na Igreja Matriz, escrever frases nos vidros dos carros pedindo a manutenção do padre e iniciar um abaixo-assinado para coletar 20 mil assinaturas, os católicos prometem novos protestos. O movimento ganhou até a adesão da Igreja Evangélica, cujos pastores condenaram a situação e declararam publicamente apoio ao padre.

O preconceito racial é apontado pelo padre e pelo próprio bispo como uma das causas da rejeição dos fiéis a Ramos. “Outro dia surpreendi suas senhoras dizendo que deveriam trocar o galo que há no topo da igreja por um urubu. Foi muita humilhação”, contou o padre, que está em Adamantina desde 2012.

O padre Wilson Luís Ramos, de Adamantina
O padre Wilson Luís Ramos, de Adamantina
GINOTICIAS

Dom Luiz, que está há um ano na região, confirma o preconceito racial sofrido pelo padre, mas afirma que a principal causa para a transferência é a divisão que Ramos teria causado na paróquia. “O padre Wilson tem sofrido com essa questão. Houve preconceito por parte de fiéis, mas o padre foi vencendo e o que está em jogo agora não é o preconceito, mas sim a divisão que ele causou na paróquia”, afirmou o bispo.

A permanência de Ramos na Paróquia Santo Antônio de Pádua, a principal de Adamantina, foi colocada em dúvida por um grupo de fiéis tradicionais que enviou cartas ao bispo reclamando do “jeito” simples do padre e, principalmente, do fato de ele atrair pessoas pobres e jovens usuários de drogas para a igreja.

A situação se agravou quando Ramos destituiu fiéis desse grupo que ocupavam cargos de coordenação de pastorais havia 13 anos e colocou nos postos pessoas com menos poder aquisitivo.

Recusa. Ao receber reclamações de fiéis, o bispo chegou a pedir que Ramos saísse da paróquia, o que foi recusado. “Diante da insistência dele, acionei o conselho de presbíteros, que foi à cidade fazer uma consulta à população. Depois disso o próprio padre pediu para ser transferido”, contou Dom Luiz. “Constatamos que havia uma divisão na paróquia, e não podemos conviver com isso”, afirmou.

Padre Ramos afirma que colocou seu cargo à disposição por causa da pressão sofrida pelo seu superior. “Foi tanta humilhação e sofrimento que não resisti”, afirmou. “Não foi uma decisão espontânea e não há divisão como o bispo diz. O que há é um pequeno grupo de insatisfeitos, mas eu sempre defendi o entendimento porque acredito no diálogo”, declarou o padre.

Humildes e excluídos. Para os jovens, não há dúvidas: o que causou a transferência do padre foi o preconceito e a abertura que ele deu às classes mais humildes e aos jovens excluídos. “O problema é que o padre Wilson é negro, anda pelas ruas com roupas simples e a pé, substituindo um padre branco, que usava camisas de linho e carro. Padre Wilson vai até as comunidades, enquanto seu antecessor não saía da igreja. Isso causou um incômodo”, relatou a servidora municipal Ivanete Sylvestrino.

“Trata-se de um pequeno grupo que está insatisfeito com o padre Wilson e o bispo está dando voz a essas pessoas. E, pior, ele (o bispo) está deixando de ouvir toda uma população”, afirmou. “Tanto que, durante a consulta feita pelo bispado, a maioria votou pela permanência dele (do padre) na cidade. Cerca de 700 cartas, pedindo a manutenção do padre, foram enviadas ao bispado”, afirmou Ivanete. “Se o bispo levar isso em consideração, ele saberá que a maioria quer que o padre continue na cidade; a não ser que haja outros motivos por trás disso.”

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s