Sargento é morto com tiro de fuzil no pescoço em Campinas PM afirmou que prendeu três participantes do crime nesta segunda-feira (4)

Posted On 09/11/2013

Filed under Uncategorized

Comments Dropped leave a response

Do R7

O Sargento PM Jorge de Mello Fernandes, do 11º Batalhão da Polícia Militar do Interior, região de Campinas (Itupeva) foi morto enquanto trabalhava na madrugada de domingo (3).

O crime ocorreu quando sargento e a guarnição avistaram cinco indivíduos em atitude suspeita no interior de dois veículos, na Estrada Mario Tonoli (Itupeva). Na tentativa de abordagem, os criminosos atiraram contra as equipes.

Os policiais tentaram reagir, porém, o PM Jorge Fernandes foi ferido por um tiro de fuzil no pescoço. Ele chegou a ser socorrido no Hospital São Vicente, em Jundiaí, mas não resistiu aos ferimentos.

Em nota, a Polícia Militar afirmou nesta segunda-feira (4), que policiais do 11º BPM/I prenderam três homens que participaram do crime: Patrick Cauã Morais Teixeira, José Jailton Pereira Silva e Emerson Moraes de Souza, que foi atingido e está internado no Hospital de Amparo.

Na casa de Patrick foram encontradas sete munições calibre 38, uma munição calibre 380, 620 gramas de maconha, 190 gramas de crack, um quilo de cocaína, uma balança de precisão e cinco cadernos com a contabilidade da venda das drogas.

As diligências ainda continuam, pois há informações de mais cinco criminosos envolvidos nna morte do PM.

O CASO:

O sargento da Polícia Militar, Jorge de Melo Fernandes, 42 anos, que atuava no 4ª Pelotão de Polícia Militar de Itupeva, foi morto com 3 tiros de fuzil, disparados por marginais, na madrugada deste domingo, dia 3 de novembro.

Por volta das 3 horas, o policial estava a bordo da viatura I-11211, que era conduzida pelo soldado Allan. Os militares seguiam para o bairro do Guacuri, para atender a uma denúncia de veículos com pessoas suspeitas. Mas ao passarem pelo Jardim Brasil, em Itupeva, suspeitaram da presença de dois veículos, nas proximidades do caixa eletrônico de um mercado.

Os policiais consultaram as placas de um Renault Clio, porém, o cadastro apontava como ‘placa fria’, já que a numeração indicava um Monza vermelho, fato que levantou a suspeita dos militares. Já as placas da Montana estavam dobradas para cima, o que impediu sua anotação.

Os veículos passaram a ser acompanhados pela rodovia Mário Tonoli. Logo atrás, também no acompanhamento, estava uma segunda viatura, ocupada pelos soldados Muniz e J. Carlos, que prestavam apoio na ocorrência. O carro foi acompanhado por cerca de 4 quilômetros, pela rodovia Mário Tonoli (principal acesso à Indaiatuba) e, nas proximidades do bairro Santa Eliza passaram a empreender alta velocidade. A Montana estava à frente, seguida pelo Renault.

Segundo o motorista da viatura policial, em certo momento, os ocupantes da Montana deram um ‘cavalo de pau’ no veículo e, de posse de armas de grosso calibre dispararam vários tiros em direção da viatura.

“Foi tudo muito rápido. Eles deram um cavalo-de-pau e foram logo atirando contra a nossa viatura. Foram muitos tiros”, disse o policial militar que junto aos demais soldados chegaram a revidar aos disparos.

Três tiros atingiram o sargento, sendo dois no pescoço e um na cabeça. Por rádio, Allan pediu socorro ao colega, que havia sido baleado. Sem controle, a viatura subiu em um barranco e capotou na pista.

Policiais que ocupavam a viatura I-11207 também dispararam contra os criminosos. Um dos tiros perfurou o para-brisa. Os policiais acreditam que pelo menos um dos disparos tenham atingido um dos criminosos.

Logo após os disparos, o bando fugiu do local. Peritos do Instituto de Criminalística foram acionados para fazer a perícia na viatura e no local do homicídio.  Após ser necropsiado, o corpo do sargento Jorge será trasladado e sepultado na cidade de Barretos, onde morava com a mãe e um filho de 13 anos.

Policiais de cidades da região, como Indaiatuba e Jundiaí, também foram até o local dos fatos. Chocados com a cena, os militares demonstraram consternação com a morte do colega de farda. “Tenho mais de 10 danos de serviço militar e nunca imaginei que um dia iria ter minha farda manchada pelo sangue de um colega morto”, disse um dos soldados.

O delegado Titular de Itupeva, dr. Elias Ribeiro Evangelista Junior foi até o local e junto de sua equipe de policiais civis que já deram início às investigações. Segundo o delegado, já existem pistas que podem levar aos autores do crime.

O comandante do 11º Batalhão de Polícia Militar do Interior, tenente-coronel Aloísio Alberto de Queiroz Júnior, esteve no local e lamentou o ocorrido. Ele disse que a Polícia Militar está solidária e vai prestar todo apoio à família da vítima. “O sargento Jorge era considerado um excelente militar, que honrava a farda, cumpria todas as suas obrigações”, disse.

Uma viatura do Corpo de Bombeiros de Itupeva foi utilizada para lavar a pista, que ficou marcada de óleo, destroços da viatura e sangue.

Colegas de farda tristes pelo ocorrido

“Ontem mesmo ele estava com a gente, muito feliz por ter comprado a motocicleta de seus sonhos e que estava muito feliz. Um homem íntegro e humilde, muito respeitado em Itupeva. Esse era o sargento Jorge, nosso grande amigo que infelizmente se foi”, disse o soldado Belasco, também do 4º Pelotão de Itupeva.
Nascido na cidade de Barretos, o sargento Jorge de Melo Fernandes está na Polícia Militar do Estado de São Paulo há quase duas décadas. Lotado no 4º Pelotão PM de Itupeva, atuava como sargento operacional. Em horário de folga, gostava de participar de atividades esportivas na cidade de Itupeva, principalmente futebol com amigos da PM e também da Guarda Municipal, no campo da chácara do Abobrinha, onde jogava todos os sábados.

FAL

O Fuzil Automático Leve, calibre 7,62, mais conhecido como FAL, é de dotação do Exército Brasileiro.  Com alcance de 3.500 metros, o FAL pode dar 700 tiros por minuto (caso a alimentação fosse contínua) e seu impacto tem capacidade de perfurar chapas de aço.

De excelente maneabilidade, é considerada uma arma soberba, só perdendo o título de melhor fuzil de assalto do mundo para os fuzis russos da série AK.

O FAL é superior aos famosos M-16A1 e A2 e AR-15, no que diz respeito a robustez. No Brasil, este fuzil é fabricado pela IMBEL (Indústria de Material Bélico) de Itajuba, recebendo a nomenclatura de Fz 7,62 M964. A Imbel fabrica também o Para-fal, uma adaptação com coronha rebativel mais curta, para uso de paraquedistas e policias, e tambem uma versão em calibre .22, para treinamento.

É uma arma muito utilizada por criminosos, dada sua alta mortalidade. No mercado negro, o FAL chega a ser vendido por até 30 mil reais.

Luiz Carlos Izzo e Anderson Breu

A rodovia Mário Tonoli permaneceu interditada por cerca de 2 horas, já que o local ficou preservado até que a perícia realizasse o exame de praxe.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s