INFILTRAÇÕES

Posted On 26/06/2013

Filed under Uncategorized

Comments Dropped leave a response

Policiais se infiltraram nas manifestações por passe livre, dizem ativistas

A denúncia foi feita por ativistas durante a reunião ordinária da Associação Nacional de Anistiados Políticos (Anapi), realizada na capital paulista. Policiais teriam colaborado para incentivar violência. A organização de anistiados estuda medidas judiciais sobre o caso. A reportagem é de Dermi Azevedo

Dermi Azevedo

São Paulo – As organizações sociais que participam do Movimento Passe Livre, que luta em favor dos direitos civis e contra os aumentos dos passes de transportes públicos, denunciam a presença nas manifestações de policiais infiltrados que estimulam os manifestantes a destruírem bens públicos e particulares.

Segundo apurou Carta Maior, os policiais civis e militares provêm das segundas sessões, como são oficialmente denominados os serviços reservados das forças repressivas.

A denúncia foi feita na tarde de quinta-feira (13) – portanto, antes dos distúrbios ocorridos à noite, no Rio e em São Paulo – na reunião ordinária da Associação Nacional de Anistiados Políticos (Anapi), realizada na capital paulista.

Presentes no encontro também criticaram que alguns adolescentes presos permanecem em unidades de centros de detenção provisória dividindo espaço com adultos acusados de graves delitos. A avaliação é que a polícia procura, dessa forma, reforçar junto à população a imagem dos manifestantes como “agitadores e baderneiros”.

Vale lembrar que o próprio governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, havia prometido intensificar a repressão nas próximas manifestações de rua que ocorressem.

Segundo as denúncias apresentadas na reunião da Anapi, os policiais são orientados por seus comandantes a fazerem as propostas mais radicais possíveis aos manifestantes e para provocarem os policiais fardados, com o objetivo de acirrar o clima de violência urbana.

A polícia está também sendo orientada a obter o máximo de informações sobre os líderes dos movimentos de protestos, utilizando, para isso, principalmente as redes sociais na internet, como o Facebook. As informações coletadas servirão para eventuais medidas mais repressivas e punitivas contra as lideranças populares.

Ainda conforme presentes no encontro de anistiados políticos, esse tipo de atuação policial “configura um perfil nazi-facista, reproduzindo, em pleno século XXI, os métodos preconizados por Joseph Goebells, Adolf Hitler e Benito Mussolini.

Ainda antes do advento da internet, as táticas de contra-insurgência foram amplamente ensinadas aos policiais e militares latino-americanos pelos técnicos da CIA e do FBI na Escola das Américas.

A Anapi estuda medidas judiciais para investigar essa intervenção que fere os direitos constitucionais da cidadania.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s