‘El País’: juiz mais ameaçado do Brasil vive entre policiais armados

Posted On 24/06/2013

Filed under Uncategorized

Comments Dropped leave a response

O juiz federal Odilon de Oliveira é descrito pelo jornal espanhol El País como “o mais ameaçado do Brasil” – por seu trabalho contra o tráfico de drogas, ele anda o tempo todo cercado de policiais federais e seguranças particulares. O magistrado mora em Campo Grande (MS), mas viaja com frequência para vários lugares – entre eles, a fronteira do Brasil com o
Paraguai, que tem cidades comandadas pelo crime organizado. Ele já morou em Ponta Porã (MS), município fronteiriço, onde sofreu uma tentativa de assassinato.

 

A situação no local é consequência do tráfico de drogas – o Paraguai é um dos maiores produtores de maconha da América do Sul, e a Bolívia é o terceiro maior produtor mundial de cocaína. O Brasil é o segundo maior consumidor de cocaína e derivados do mundo, segundo um estudo da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) publicado em 2012. Aviões carregados com cocaína e maconha chegam à fronteira do Brasil sem muitos problemas, e a Bolívia e o Paraguai não contam com recursos para rastrear voos clandestinos. Assim, os traficantes apenas têm que se estabelecer na fronteira – e o juiz trabalha para impedi-los. Em seu escritório, Oliveira tem uma gaveta confidencial: “aqui estão os planos que encontrei para me matarem”, diz. Ele é o único juiz do Brasil protegido a esse nível, com seguranças que o acompanham 24 horas por dia – o único dos 150 magistrados federais que já foi ameaçado oficialmente

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s