Alckmin muda discurso sobre manifestações e diz que está aberto ao diálogo Governador classificou os manifestantes como “vândalos” e “baderneiros” na semana passada

Posted On 18/06/2013

Filed under Uncategorized

Comments Dropped leave a response

Agência Estado

 

População foi às ruas para protestar nesta segunda-feiraEduardo Enomoto/R7

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), amenizou nesta segunda-feira (18) o discurso dirigido aos manifestantes e disse que está “aberto ao diálogo” ao ser questionado sobre a possibilidade de redução da tarifa dotransporte urbano.

— O reajuste já foi dado abaixo da inflação, mas estamos sempre abertos ao diálogo.

Alckmin, que na semana passada classificou os manifestantes como “vândalos” e “baderneiros”, destacou a decisão de proibir o uso de balas de borracha durante manifestações públicas e, por duas vezes, elogiou os líderes do MPL (Movimento Passe Livre).

— Queria fazer um elogio às lideranças do movimento e também à segurança pública e à PM (Polícia Militar).

Protestos param diversas cidades em todo o Brasil

Leia mais notícias de São Paulo

De acordo com ele, após a reunião do secretário de Segurança Pública, Fernando Grella Vieira, e do comandante-geral da PM, Benedito Meira, com integrantes do movimento na manhã desta segunda-feira (18) ficou acertado que durante os novos protestos o comando da PM ficará em contato via rádio com os líderes das manifestações.

— Se estabeleceu que os nossos oficiais acompanharão as lideranças com rádio. Foi uma reunião muito madura, muito proveitosa.

Os representantes do movimento, porém, não adiantaram o trajeto a ser percorrido pelos manifestantes. O governador de São Paulo disse que o governo do Estado só tomaria conhecimento do trajeto da nova passeata no momento da manifestação, que teve início às 17 horas.

— Acho que podemos dar um exemplo de que preservamos o direito das pessoas de manifestação, sem prejuízo para ninguém.

Alckmin afirmou ainda que os protestos “fortalecem a democracia” desde que não seja prejudicada a integridade física da população e que não haja depredação de bens públicos e privados.

Apesar de dizer que o governo de São Paulo está “aberto ao diálogo”, ele voltou a ressaltar que o reajuste concedido no Estado foi abaixo do índice de inflação e que ele deveria ter ido para R$ 3,30. Afirmou ainda que o governo estadual adiou o aumento a pedido da União.

— Não fizemos o reajuste [em janeiro] a pedido do governo federal. Durante seis meses o governo de São Paulo bancou o subsídio.

“Ação cirúrgica”

Na avaliação de secretários e políticos ligados ao governador, a atuação ostensiva da PM no protesto desta quinta-feira (13), deu ainda mais força aos manifestantes. Este seria, portanto, um dos motivos que levou à proibição do uso de balas de borracha e à mudança no discurso de Alckmin.

Além de proibir a truculência policial, a administração estadual, ao pôr oficiais próximos aos líderes do movimento, pretendia “agir de forma cirúrgica” caso algum excesso acontecesse. A ideia é, segundo um secretário estadual, “garantir que a manifestação ocorra da melhor maneira possível.”

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s