Assassino de Glauco pode voltar para casa três anos após crime

Posted On 26/04/2013

Filed under Uncategorized

Comments Dropped leave a response

Três anos e um mês após a morte do cartunista Glauco Vilas Boas e do filho dele, Raoni, a Justiça de Goiás diz que o assassino confesso já está apto a sair da clínica psiquiátrica em que está internado e ir para a casa dos pais.

‘Se ele vai matar de novo? Não pode garantir’, diz juíza

Editoria de Arte/Folhapress

Não há data para a saída de Carlos Eduardo Sundfeld Nunes, o Cadu, 27. Mas a juíza Telma Aparecida Alves, que acompanha o processo, disse à Folha que a liberação “é um fato” e tem respaldo médico. Segundo ela, Cadu teve “evolução positiva” no tratamento psiquiátrico.

A juíza diz, por outro lado, que é impossível garantir que ele não voltará a cometer um crime. “Qualquer um de nós, mesmo em perfeito estado, pode um dia agredir alguém. Não tem como eu dizer que ele nunca fará nada.”

“Por mais que se tenha prova, ele foi absolvido porque não teve capacidade de entender o que fazia”, diz a juíza.

Glauco e Raoni foram mortos em Osasco (Grande SP), em março de 2010. Cadu, ex-frequentador da igreja Céu de Maria, fundada por Glauco, confessou o crime. Declarado inimputável pela Justiça, ficou num complexo médico penal no Paraná (onde foi preso após fugir) e, em outubro de 2012, foi transferido a Goiânia, a pedido da família.

Cadu passou por clínicas vinculadas ao Paili (Programa de Atenção ao Louco Infrator), da Secretaria de Saúde de Goiás. O advogado de Cadu em Goiás, Sérgio Divino Carvalho Filho, diz que ele teve evolução no tratamento depois da transferência.

“Imagina um manicômio, sem cela, mas com grades. É onde ele estava antes. Como deixa de ser prisão, é outra perspectiva”, diz o advogado.

Segundo a coordenadora do Paili, Maria Aparecida Diniz, após sair da clínica, o paciente segue para tratamento ambulatorial, com acompanhamento. “O que extingue é a relação com a Justiça, mas não com o tratamento.”

O advogado da família de Glauco, Alexandre Khuri Miguel, vai à Justiça para impedir a liberação. “Ele já teve problemas com arma e com droga antes de surtar”, diz.

Segundo Miguel, a família sofre pelo ocorrido. “É preocupante. A juíza vai assinar salvo-conduto para esse rapaz matar quem quiser.”

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s