Nem da Rocinha é condenado a 20 anos de prisão por tráfico e lavagem Leia mais em: http://noticias.bol.uol.com.br/brasil/2013/04/02/nem-da-rocinha-e-condenado-a-20-anos-de-prisao-por-trafico-e-lavagem.jhtm

Posted On 02/04/2013

Filed under Uncategorized

Comments Dropped leave a response

Do UOL, no Rio O ex-chefe do crime organizado na Rocinha, Antônio Bonfim Lopes, o “Nem”, foi condenado na segunda-feira (1º) a 20 anos de prisão pelos crimes de tráfico de drogas, associação para o tráfico e lavagem de dinheiro em julgamento realizado na 40ª Vara Criminal do TJ-RJ (Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro). Na mesma decisão, a juíza Alessandra de Araújo Bilac Pinto condenou a seis anos de prisão o acusado de tráfico de drogas Anderson Rosa Mendonça, o “Coelho”, que também é réu no processo sobre a quadrilha que atuava na Rocinha, maior favela da zona sul do Rio. Com base nas provas obtidas durante o inquérito policial e em os depoimentos de policiais, moradores e frequentadores da Rocinha, a magistrada enfatizou “não haver dúvidas de que Nem era o responsável por toda a organização criminosa da região”, segundo o Tribunal de Justiça. “Nada acontecia na comunidade sem a autorização e ordem de Nem, devendo ser ressaltado que o ‘respeito’ que os demais integrantes do bando tinham por Antônio Francisco decorria do fato de ser ele o grande líder da associação criminosa”, afirmou Bilac. Ampliar Operação da PF na favela da Rocinha, no Rio de Janeiro32 fotos 15 / 32 10.nov.2011 – O traficante apontado como chefe do tráfico de drogas na favela da Rocinha, Antônio Francisco Bonfim Lopes, conhecido como Nem, é escoltado por policiais nesta quinta-feira (10), ao ser transferido para o Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, na zona oeste do Rio. A polícia transfere o traficante para a penitenciária em um veículo blindado da Polícia Militar conhecido como caveirão Leia mais Marcelo Sayo/EFE Mesmo não sendo diretamente responsável pela lavagem de dinheiro, conforme a denúncia do MP, a juíza entendeu que Nem controlava a ação dos seus subordinados: “O denunciado Antônio Bonfim era a pessoa que, além de determinar como se daria a lavagem de dinheiro, auferido com o tráfico ilícito de substâncias entorpecentes, se beneficiava diretamente do dinheiro supostamente limpo”, concluiu. Segundo os autos processuais, Nem chefiava o tráfico de drogas na favela da Rocinha, sendo o responsável por preparar, adquirir e vender, além de possuir um depósito ilegal dentro da comunidade. O traficante teria a ajuda de mais quatro acusados, onde se destacava a atuação do ex-líder comunitário da Rocinha Vanderlan Barros de Oliveira, conhecido como Feijão, morto a tiros em um dos acessos à comunidade da zona sul do Rio, no dia 26 de março de 2012. Ele seria responsável por facilitar a atuação financeira do criminoso. De acordo com o TJ, Vanderlan mantinha em seu nome uma empresa de acessórios para veículos e uma loja de comércio de gelo, ambos com a finalidade de quitar débitos do tráfico e despesas pessoais de Nem, além de receber o dinheiro do tráfico para declará-lo como capital fruto de atividade empresarial. Vanderlan ainda seria proprietário de oito linhas telefônicas em seu nome para o uso de integrantes do grupo. A denúncia partiu do Ministério Público, que, com base nos autos do inquérito policial da Polinter, acusou 18 pessoas, entre as quais Nem e Coelho, de tráfico de entorpecentes, armamentos, explosivos e munições de uso proibido, além de lavagem de dinheiro. Ampliar Veja quais são os apelidos mais bizarros de traficantes do Rio de Janeiro9 fotos 1 / 9 O acusado de tráfico de drogas Marcos Paulo Moreira, vulgo “Marquinhos Sem Cérebro”, ganhou este apelido depois de ser reformado na Marinha por problemas psiquiátricos, em 2004. Desde então, tornou-se especialista em tiro prático esportivo, e optou por usar sua habilidade para fins criminosos. Moreira, que atuava na região de Bangu, na zona oeste do Rio, também é acusado de matar proprietários de lojas de gás para comandar a distribuição de botijões. Sem Cérebro foi preso pela Divisão de Homicídios da Polícia Civil em abril de 2012 Fabiano Rocha/Agência O Globo Ex-chefe do São Carlos Já o traficante Anderson Rosa Mendonça, o “Coelho”, também na segunda-feira (1º), foi sentenciado a seis anos de prisão. Ele foi apontado pela polícia como chefe do tráfico de entorpecentes do Complexo de São Carlos, no Estácio, na zona norte do Rio, e teria fugido para a Rocinha –então controlada pela mesma facção criminosa– após a instalação de uma UPP (Unidade de Polícia Pacificadora). Segundo os autos processuais, Coelho agia em associação com os traficantes da Rocinha para trocar, comprar e vender drogas, segundo a juíza Alessandra Bilac. “Além de exercer a liderança do tráfico no São Carlos, abastecia suas bocas de fumo com a droga originária da Rocinha. Acabou tornando-se um dos principais compradores de substâncias entorpecentes e possuía grande prestígio com ‘Nem’, por ser um de seus homens de confiança”, finalizou. Saiba mais sobre a “xerifa da Rocinha” – 4 vídeos “Xerifa da Rocinha” não tem direito a banho de sol e visitas Mulher do traficante Nem é levada para a penitenciária no RJ “Xerifa da Rocinha”, mulher de Nem é presa em flagrante Diário revela que mulher de Nem

Leia mais em: http://noticias.bol.uol.com.br/brasil/2013/04/02/nem-da-rocinha-e-condenado-a-20-anos-de-prisao-por-trafico-e-lavagem.jhtm

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s